Senhor Coelho

Preocupado com o desmatamento de sua floresta, que a cada dia dava mais espaço para novos prédios de concreto, o rabugento Sr Coelho sabia que deveria fazer algo para que os humanos respeitassem a natureza. Bravo e raivoso, passou a morder as canelas dos intrusos que chegassem perto de sua toca. Mas esta tática não estava funcionando muito bem, afinal quem teria medo de um animal de aparência fofa de pelos brancos e macios? Além disso, seu temperamento não era exatamente bélico, estava mais para um velho rabugento, que logo se cansava de correr atrás dos intrusos, e acabou desistindo da ideia.

Os dias se passavam e o Sr Coelho continuava preocupado e pensativo com a perda de espaço da floresta.  Então resolveu convocar todos os animais que ali moravam, e assim fizeram uma assembleia para que juntos conseguissem resolvessem o problema. A reunião foi uma bagunça só. Todos falando e gritando ao mesmo tempo.

“ Vamos fazer buracos na terra “gritava o Seu castor guardador de tesouros, enquanto que os passarinhos pintores, sugeriam um bombardeio furioso em quem passasse por ali. Até as aranhas bordadeiras sugeriram fazer teias gigantes para impedir a passagem pelas arvores. As formigas trabalhadoras se prontificaram a ficar em guarda, escondias nos buracos do Seu Castor a picar as penas de quem ali caísse. Embora a professora coruja dizer que isto não funcionaria, mesmo assim depois de muita gritaria e confusão os animais declararam guerra, e cada um passou a defender seu espaço na a floresta a seu modo. No entanto, nada parecia resolver e cada vez mais e mais, a civilização avançava em direção a eles.

Conforme a cidade foi crescendo muitas crianças passaram a brincar em volta da mata, e certo dia, o Sr Coelho observando o movimento, viu que algumas crianças estavam à procura de um brinquedo perdido, e foi ali, naquele momento que teve uma grande ideia que poderia salvar a floresta. Apressado, correu a convocar todos os animais e contar seus planos. Todos concordaram e passaram a ajudar o Sr coelho a por em prática tal estratégia.

Durante um mês trabalharam muito fazendo doces, ovos e guloseimas afinal faltava pouco para a época da colheita, época da páscoa. Enquanto estavam a trabalhar Sr Coelho não parava nunca, sempre andando de um lado para o outro com sua prancheta na mão conferindo a produção. Quando tudo ficou pronto durante a noite de lua cheia, os animais saíram a esconder as guloseimas próximo as arvores frutíferas e aos pés das verduras maduras.

Na manhã seguinte bem cedo, as abelhas e borboletas já estavam a esperar os visitantes e voando ao redor deles e mostrando as delicias ali escondidas. Ao encontrar tantos presentes junto com as frutas e verduras perceberam a importância da floresta e agradeceram aos animais, preservando a área verde. Foi quando o Sr Coelho deixou de ser um velho rabugento e tornou-se o grande herói daquela floresta.